Como organizar a minha vida!

0 comentário

 

Como se organizar e não se atrapalhar?

Para organizar a nossa vida e o nosso futuro, traçamos metas, objetivos, projetos e estratégias. Esses esforços nos ajudam a nos orientar para o que realmente queremos, e nos deixam felizes conosco mesmo por conseguirmos o que planejamos. Mas nessa caminhada há momentos que planejar o futuro de forma muito detalhada pode nos atrapalhar e até desistir do que tínhamos pensado anteriormente.

Para quem está numa situação onde se encontra perdido ou sem esperança, saber o que quer fazer ou ter é um ótimo inicial. E separar o que quer do que não quer é um avanço para organizar a vida e os projetos sonhados. Detalhar como você pode alcançar seus sonhos dá segurança e ânimo. Assim você vai adaptando o seu planejamento e a conquista dos seus objetivos, e trilhando novos caminhos não imaginados no começo da caminhada. Se quiser alguma ajuda para iniciar, há livros que podem nos auxiliar no planejamento e organização, como “A arte de fazer acontecer”, de David Allen e Vida organizada, de Thais Godinho. Muitos outros livros podem ser utilizados como guias, e estão no fim do artigo.

Para ler vários livros referentes ao assunto e ler mais livros considere assinar o Kindle Unlimited. Mais de um milhão de eBooks para você ler onde e quando quiser!

Organizar é refletir

Planejar só é possível após uma reflexão interna. Entretanto, muitas pessoas planejam a vida de outras pessoas ou até quer traçar não os seus próprios caminhos, mas caminhos indicados por outras pessoas. Apesar das boas intenções de pessoas próximas, decisões tomadas por terceiros infelizmente deixará o indivíduo infeliz e frustrado consigo mesmo. Refletir nos mostra o que realmente é importante para gente, pois conseguimos começar a definir as nossas limitações e potencialidades, ainda que não sejam tão claras para gente.

As armadilhas do planejamento

Tanto no começo do planejamento como durante a caminhada, nós podemos cair em armadilhas do processo de organização. Os mais comuns são 3: planejar meticulosamente, planejar algo fora da possibilidade ou planejar de forma confusa. Confesso que já caí nesses 3, e acho que estou preso em um desses.

Por estarmos muito animados para conseguir o que quer, tentamos detalhar tudo o que devemos fazer e agir. Ao detalharmos tudo, esquecemos que as situações podem mudar e pensamos que somos robôs que não se cansam e que vamos fazer tudo de forma exata. E no momento em que algo escapa do nosso controle, o desespero e o desânimo invadem o nosso âmago, por não termos o sucesso almejado. E volta ao ponto zero, sem saber o que fazer e sem plano para seguir em frente.

Ao querer cumprir uma tarefa ou meta a qualquer custo, sem considerar a situação, os objetivos se tornam praticamente se desmoronam. Isso é um indicativo da falta de reflexão um pouco mais aprofundada. Não levar em consideração as nossas próprias limitações de tempo, de orçamento, de atenção ou de habilidades necessárias faz com que seja uma barreira para se chegar ao final do destino. Uma reflexão melhor poderia até dar novas metas realistas e alcançáveis para chegar no objetivo final.

Metas e objetivos vagos também não levam a lugar nenhum. Dá uma falsa sensação de propósito, mas no fim nos deixam no mesmo lugar. Isso também é falta de reflexão do que queremos para nossa vida, mesmo que esses objetivos sejam simples e alcançáveis. Ter seriedade e atenção no que almeja facilita a vida de quem planeja.

Planejar é revisar

Outro conceito equivocado que temos a respeito de planejamento é a de ele não pode ser alterado por nada, visto que se torna um propósito de vida. Essa confusão dá um nó na cabeça de muita gente. Lembrar que a vida é cheio de surpresas e oportunidades, e que também não temos o controle absoluto sobre ela, e que os propósitos de nossa vida são maiores do que qualquer meta, objetivo ou plano que podemos desenhar ou pensar nos ajudam a perceber algo maior que nós mesmos. Para esse tipo de situação, a revisão é uma ótima ferramenta que ajuda nessa reflexão contínua dos nossos projetos. Esse instrumento nos faz adaptar e relembrar do que precisamos para seguir em frente, independente do que possa acontecer. Saber fazer a correção do prumo e da direção é sinal de sabedoria e reconhecimento de que somos falhos e de que podemos errar.

Tudo que escrevo aqui acima é algo que preciso revisar e praticar. Apesar de falar o que acho importante, preciso estar em constante revisão dos meus planos. Só assim é possível uma organização segura e coerente da minha vida.  

Lista de livros interessantes sobre o assunto:
A arte de fazer acontecer: guia prático: 10 etapas para a produtividade sem estresse
Sem esforço: Torne mais fácil o que é mais importante
O poder do hábito
A tríade do tempo 
Hábitos atômicos: Um método fácil e comprovado de criar bons hábitos e se livrar dos maus

Você pode gostar

Deixe um comentário